Site Votorantim, Clique Aqui para ver o contéudo

Idiomas English VersionVersión en Español
.
Envie para um amigo     Imprimir     Diminuir fonte Aumentar fonte

Notícias

24/10/2006

Empresa Brasileira mostra resultados e estratégias na bolsa de Nova Iorque

A Votorantim Celulose e Papel (VCP), única empresa do Grupo Votorantim com capital aberto, com ações nas bolsas de valores de São Paulo (BOVESPA) e Nova Iorque (NYSE), realizou o ‘VCP Day’ no dia 26 de outubro, na Bolsa de Valores de Nova Iorque.

Na ocasião, estiveram presentes o diretor geral da Votorantim Industrial, Raul Calfat, o diretor-presidente da VCP, José Luciano Penido, e o diretor de Finanças e de Relações com Investidores, Valdir Roque. “A Empresa, está passando por significativas transformações e pretende, com este evento, atualizar sua estratégia e apresentar, aos principais analistas financeiros do mundo, seus mais recentes resultados e perspectivas para o setor”, explicou José Luciano Penido, diretor- presidente da VCP.

Clique aqui e assista o vídeo do 'VCP Day'.

A VCP está entre as maiores empresas do setor na América Latina e líder nacional em papéis couché, autocopiativos, térmicos e outros papéis especiais. A operação integrada da Empresa inclui desde a produção de madeira em suas florestas até a distribuição de produtos ao consumidor final. Para atender o mercado externo, a VCP possui um terminal privativo no Porto de Santos (SP) ligado por ferrovia à sua fábrica em Jacareí (SP).

A celulose da VCP é 100% produzida a partir de florestas plantadas de eucalipto, gerando um diferencial competitivo que permite bons resultados comerciais com países da Europa, Ásia, América do Norte e América Latina. Hoje, a Empresa possui também importante participação na Aracruz Celulose e na Ripasa.

Recentemente, a Empresa anunciou troca de ativos com a americana International Paper – IP, onde receberá uma fábrica de celulose em implantação, na cidade de Três Lagoas, no estado do Mato Grosso do Sul. Com isso, a VCP abre mais uma base de crescimento com pleno acesso à matéria-prima para produção de celulose de mercado, em uma região de elevada vantagem competitiva.

A empresa possui unidades industriais no estado de São Paulo e área florestal com aproximadamente 340 mil hectares, sendo 150 mil hectares no Estado de São Paulo, 100 mil hectares no Mato Grosso do Sul e 90 mil hectares no Rio Grande do Sul. Cerca de 40% dessa área é preservada com matas nativas de forma permanente. A VCP comercializa seus produtos nos mercados interno e externo, exportando para mais de 50 países, nos cinco continentes.

Solidez Financeira

A agência Standard & Poor's concedeu para a VCP a nota de crédito "BBB-", com perspectiva estável, para o risco de crédito corporativo em moeda nacional e estrangeira. A classificação confirma o acerto da estratégia da Votorantim Celulose e Papel de diversificar seus produtos e mercados, mantendo custos competitivos e o compromisso com a sustentabilidade do negócio. Na prática, permite captação de recursos a custos muito mais reduzidos no mercado internacional.

Gestão Ambiental

A abordagem da VCP quanto à melhoria de gestão ambiental pode ser dividida em três partes: uso das melhores tecnologias disponíveis no mundo; otimização do processo produtivo pela reutilização e reciclagem de recursos, e melhores práticas de gestão. Por meio de parcerias com universidades, a VCP desenvolve, entre outras, reciclagem de efluentes e recuperação de perdas acidentais; monitoramento de emissões hídricas; monitoramente de emissões atmosféricas; uso alternativo de resíduos industriais; e a reciclagem de resíduos florestais e industriais como nutrientes.

Dados econômicos 2005

Segundo dados de 2005, a receita líquida da VCP foi de aproximadamente R$ 2,8 bilhões. A Companhia apresentou uma geração de caixa operacional (EBITDA) de R$ 959 milhões, e gerou um lucro líquido de R$ 549 milhões. Do total da receita de 2005, 38% equivale às vendas de celulose e 62% às de papel. Com relação aos mercados, a participação na receita foi igualmente dividida – 50% externo e 50% interno.

Ano passado, as vendas da VCP totalizaram 1.493 mil toneladas, sendo 58% de celulose e 42% de papel. Do total produzido 66% foi destinado ao mercado externo e 34% ao interno. Do total de volume e receita de celulose, 91% foi destinado ao mercado externo, enquanto que 9% ao interno. Os principais destinos de exportação foram: Europa (60%), Ásia (30%) e América do Norte 10%.

No que diz respeito à receita do papel, 77% são de vendas para o mercado interno e 23% externo. Do volume total produzido, 68% abasteceu o mercado interno e 23% o externo. Do total de papel exportado (entre papéis não-revestidos, revestidos e especiais), 33% foi para a América do Norte, 31% para a Europa, 27% para a América do Sul, 6% para Ásia e 3% para a África.

A VCP, no ano de 2005, teve uma média diária de 460.000 títulos negociados na NYSE e um volume de US$ 6 milhões por dia. Na Bovespa, o volume médio diário em 2005 foi de 300.000 títulos e R$ 9 milhões por dia.

A Empresa foi selecionada como uma das 28 empresas integrantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), criado pela Bovespa em dezembro de 2005. Compõem este Índice, empresas com reconhecido comprometimento com a sustentabilidade e a responsabilidade social empresarial, selecionadas entre as mais negociadas na Bolsa em termos de liquidez.

Dados Econômicos 3º trimestre de 2006

A VCP registrou no terceiro trimestre de 2006 EBITDA de R$ 279 milhões, com margem de 41% comparado a 35% no terceiro trimestre de 2005. O lucro líquido no terceiro trimestre de 2006 foi de R$ 126 milhões, 11% superior a igual período em 2005. A Empresa contabilizou, no terceiro trimestre deste ano, um total de vendas totais equivalente a 374 mil toneladas de papel e celulose, sendo 61% destinadas ao mercado externo.

A receita líquida total foi de R$ 685 milhões. A participação de papel na receita total do terceiro trimestre de 2006 foi de 60% de papel e 40% de celulose, as mesmas participações registradas no segundo trimestre de 2006. Foram investidos R$ 131 milhões no terceiro trimestre de 2006, dos quais R$ 50 milhões na área florestal (aquisição de terras, implantação e manutenção de florestas) e R$ 54 milhões em modernizações e expansões.