Aços longos

Em 2018, os negócios de aços longos da Votorantim na Colômbia, operacionalizados pela Acerías Paz del Río, e na Argentina, pela Acerbrag, passaram a ser geridos pela área de Aços Internacionais, criada após a combinação das operações nacionais de aços longos da Votorantim com a ArcelorMittal Brasil, concluída em março.

Esse novo modelo foi conduzido de forma que ambas as empresas no exterior mantivessem a gestão padronizada e a autonomia, com sua atuação alinhada ao DNA Votorantim. Na Colômbia, a Acerías Paz del Río investiu aproximadamente R$ 20 milhões na reforma estrutural do alto forno para obter estabilidade operacional e ganhos de produtividade. Houve o recuo do mercado local de aço, em razão da também desaceleração do setor de construção civil – ambos decorrentes do cenário de incertezas perante as eleições presidenciais colombianas.

Em contrapartida, ocorreu a retomada dos preços internacionais do aço, que se refletiu positivamente no mercado doméstico. Esse cenário contribuiu para atenuar a queda de demanda. Na Argentina, a Acerbrag enfrentou um contexto desafiador. Diante das medidas adotadas pelo governo no segundo semestre, em decorrência de compromisso assumido com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia sofreu forte recuo, refletindo a queda de demanda pelo aço no ano. Mesmo diante dessa crise político-econômica, a operação manteve-se estável, com inadimplência e custos sob controle, conferindo à empresa capacidade para atravessar períodos difíceis. Nesses contextos, o negócio de aços longos registrou em 2018 receita líquida de R$ 2,1 bilhões e Ebitda ajustado de R$ 383 milhões, aumentos de 27% e 41% respectivamente, em relação ao ano anterior.